fbpx

Os desafios da ISO 14001 – Gestão Ambiental e seus benefícios

Ainda existem no mercado, várias crenças errôneas sobre as dificuldades em relação a Gestão Ambiental:

  1. Que gestão ambiental vai travar a empresa, impedindo-a de executar suas atividades normais, pois estas causam poluição ou são ambientalmente condenáveis;
  2. Que ao adentrarem no mundo da responsabilidade com o meio ambiente, as empresas terão que cumprir legislações mais rigorosas e estarão mais sujeitas a multas e interdições;
  3. Adequações para isso tudo são muito caras ou simplesmente inviáveis.

Por isso, melhor continuar no escuro e profundo benefício da ignorância, não é mesmo?

A resposta, obviamente é não.

Os benefícios de implantar um sistema de Gestão Ambiental

Ao analisar as três afirmações em relação a Gestão Ambiental, tem-se as seguintes resoluções:

No caso da primeira, além de não travar a empresa de forma alguma com a implantação de um sistema de gestão ambiental, haverá um maior conhecimento das suas atividades rotineiras através dos seus mapeamentos. Levantando-se adequadamente os potenciais impactos que estas atividades podem causar ao meio ambiente, pode-se tomar ações de proteção e de prevenção da poluição. Além disso, serão mapeadas também atividades não rotineiras e possíveis emergências. Estas sim, realmente podem causar situações de poluição condenáveis e a maioria das empresas as desconhecem.

No caso da segunda, ao adentrarem no mundo da responsabilidade com o meio ambiente, as empresas terão o verdadeiro conhecimento sobre as legislações que elas já são obrigadas a atender, independentemente de qualquer sistema de gestão. Não se trata de serem ou não mais rigorosas, mas do que fazer para atendê-las de forma prática, evitando justamente, as multas e interdições.

Para a terceira, somos suspeitos na resposta, mas existem no mercado empresas especializadas, altamente competentes em consultoria, para viabilizarem as adequações para isso tudo, de forma rápida, criativa e extremamente viáveis.

Mas se estes são benefícios, existem dificuldades? E se existem, quais seriam as verdadeiras dificuldades da Gestão Ambiental?

A Cultura de Proteção Ambiental e as dificuldades em implantá-la

Sem sobra de dúvida, uma grande dificuldade, é inserir nas organizações a Cultura de Proteção Ambiental, que consiste na combinação de conceitos, valores e normas que influenciam a mentalidade e o comportamento de todos os envolvidos em relação à proteção do meio ambiente, apoiando efetivamente a redução de poluição e, consequentemente, melhorando o desempenho da empresa.

A Cultura de Proteção Ambiental é diferente da política de prevenção da poluição. Mesmo que exista uma situação potencialmente poluidora; que muitas vezes é inevitável por ser inerente à execução do serviço ou à fabricação de determinados produtos; trata-se do que será feito para não agredir o meio ambiente.

Outra dimensão são as pessoas. Muitas horas de treinamento são dispendidas no tema, mas sem a consistência e adaptabilidade das pessoas em perceber perigos e riscos ambientais, elas se tornam rapidamente obsoletas e desperdiçadas.

Como se trata de algo dinâmico, que é criado por meio de nossas interações em grupo e é moldado pelo comportamento das lideranças, rotinas, regras e normas que orientam e restringem o nosso comportamento, a Cultura de Proteção Ambiental não pode ser entendida ou utilizada como uma ferramenta, contemplada somente pela avaliação de um checklist ou questionário, tampouco deverá ser auditada a fim de classificar a cultura local, que é subjetiva.

Sua avaliação só alcança o seu completo entendimento quando há imersão do avaliador no grupo estudado, a ponto de não parecer um estranho, mas sim pertencer ao grupo, o que dificilmente é alcançado por um auditor. Por isso, não há avaliações rápidas nem resultados instantâneos. O objetivo é auditar se há esforços para a introdução e implementação de um plano para o desenvolvimento da Cultura de Proteção Ambiental, incluindo o estabelecimento de um plano de ação e indicando como elas serão realizadas e medidas.

Além disso, a Cultura de Proteção Ambiental não deve ser considerada parte do sistema de gestão ambiental, mas sim o sistema de gestão considerado como um elemento dessa cultura, a qual quando se mostra forte e positiva, espera-se um sistema de gestão baseado em comportamentos e outros elementos, como a liderança, a comunicação, o comprometimento, a percepção de risco e o ambiente de trabalho.

Toda indústria, serviço ou setor já possui uma Cultura Ambiental, consciente ou não. Não se implementa a cultura… Transforma-se! A cultura já está ali constituída.

Os gestores e responsáveis pela proteção ambiental não são figurantes ou meros expectadores. Eles compõem o grupo de responsáveis pela sua transformação. Portanto, devem assumir este papel com respaldo científico e integridade para que a Cultura de Proteção Ambiental seja entendida como fenômeno e não como ferramenta visando atender desejos corporativos.

Veja também: Educação ambiental como instrumento de gestão nas empresas

ISO 14001 e a Cultura de Proteção Ambiental

A Cultura de Proteção Ambiental não é algo novo, mas recentemente discutido na área de meio ambiente, principalmente a partir da revisão 2015 da ISO 14001, que introduziu seu conceito como item auditável. O estudo desta, está embasada na cultura organizacional e se relaciona também à cultura nacional. Das quase 300 mil empresas certificadas ISO 14001 no mundo, apenas cerca de 5 mil estão no Brasil, dentre um universo de mais de 20 milhões de existentes. Isso demonstra claramente o quão estamos distantes de ter, como nação, uma consciência realmente voltada para a proteção ambiental. Dificilmente temos empresas com o compromisso ambiental como parte de sua visão e missão, a não ser que seja cobrado esse posicionamento por clientes ou entidades, e isto pode acontecer, por isso a importância de sua empresa estar preparada e ser reconhecida dentre o mercado.

Compartilhar
Fábio Costa

Fábio Costa é Engenheiro e Mestre em Ciências e Engenharia de Materiais pela Universidade Federal de São Carlos/SP. Possui MBA em Gestão Empresarial pela FGV e atua desde 1996 na gestão de segmentos industriais e prestação de serviços. Especialista em Controles Gerenciais, Compliance, Gestão de Marketing, Logística, Empreendedorismo, Gestão de Processos, Custos e Fluxo de Caixa. Auditor Líder reconhecido em Sistemas de Gestão ISO 9001, ISO 14001, ISO 22000, ISO 45001, ISO/IEC 17025, FSSC e SASSMAQ, com experiência em auditorias, treinamentos e implementação de Sistemas de Gestão. 💻https://costaduran.com.br/

Deixe seu comentário

Inscreva-se em nossa newsletter!

Receba por e-mail novos conteúdos sobre Requisitos Legais, Segurança do Trabalho, Meio Ambiente e Responsabilidade Social.